Comercialização da safra de soja está mais de 18% atrasada em relação à temporada passada

A comercialização da safra 2013/2014 de soja, que acaba de ter seu plantio finalizado em todo o Mato Grosso, está caminhando lentamente e segundo levantamento do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), está 18,9% atrasada em relação ao mesmo período do ano passado.

Até o fechamento do mês de novembro foram comercializados 48,8% da safra de soja. Durante o mês as vendas avançaram 4,4%, o que em volume significa 1,1 milhão de toneladas do grão.

Enquanto isso, informa o Imea, a comercialização da safra 2012/2013 está quase encerrada, restando aproximadamente 100 mil toneladas para serem vendidas.

Os preços

Em relação aos preços, de acordo com boletim do Imea, a média das negociações da atual safra tem sido de R$ 49,02 por saca, o que é considerado bom, uma vez que os custos de produção estão girando em torno de R$ 46,50 por saca, já considerando duas aplicações contra a Helicoverpa.

“O produtor deve considerar esses fatores para a tomada de decisão para a venda da produção, visto que o mês de dezembro continua com preços atrativos para a soja, podendo ser uma boa oportunidade para conseguir preços que consigam remunerar as lavouras nesta safra”, consta de boletim do instituto.

 

AgroOlhar
Autor: Thalita Araújo

Recuperação no etanol dos EUA: maior produção em 2 anos

A produção de etanol norte-americana para a semana que terminou em 06 de dezembro foi de 944 mil barris por dia. Isso representa um aumento de 3,4% em relação à semana passada e até 14,56% em relação ao ano passado.
 
A produção total de etanol para a semana foi de 6,608 milhões de barris – o maior total semanal desde 30 de dezembro de 2011. O milho usado na produção da semana passada é estimado em 99,12 milhões de bushels.
 
O milho acumulado deste ano-safra usado para a produção de etanol está em 1,3 bilhão de bushels. O uso de milho precisa ser, em média, de 94,2 milhões de bushels por semana para atingir a estimativa do USDA. Os estoques ficaram em 15.448.000 barris. Isso representa um aumento de 2,14% sobre a semana passada, e baixa de 22,8% contra o ano passado.

Agrolink
Autor: Leonardo Gottems

Algodão: Demanda por pluma de boa qualidade sustenta preços

O preço do algodão em pluma continua firme, sustentado pela demanda. Com a proximidade do período de férias, compradores estão mais ativos no mercado, em busca de pluma de boa qualidade para entrega imediata.

Segundo pesquisadores do Cepea, diante da oferta restrita de produtores e da resistência de venda a preços abaixo do Indicador CEPEA/ESALQ com pagamento em 8 dias, agentes de indústrias estão dispostos a pagar mais pelos lotes.

Do lado vendedor, cotonicultores têm restringido a oferta, já que estão à espera de preços maiores nos primeiros meses de 2014.

Além disso, estão com as atenções voltadas à semeadura da nova safra. Tradings também estão menos ativas no mercado.

Quanto aos comerciantes, devido à diferença de preço entre comprador e vendedor, têm tido dificuldades em efetivar negócios “casados”. Entre 3 e 10 de dezembro, o Indicador CEPEA/ESALQ com pagamento em 8 dias subiu 0,15%, fechando a R$ 2,1251/lp na terça-feira, 10. Na parcial deste mês, o Indicador registra alta de 0,58%.

 

CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Ap

Helicoverpa está sob controle e não afeta safra 2013, afirma Neri Geller

A ação da lagarta helicoverpa nas lavouras de soja, algodão e milho, entre outras culturas, não resultou em impacto à safra de grãos em 2013/2014. A afirmação é foi feita pelo secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, durante divulgação do terceiro levantamento da safra pela Conab nesta terça-feira (10.12), em Brasília.

“Graças a Deus, está tudo sob controle no país inteiro. O problema da helicoverpa já foi mais sério do que atualmente é e não afetou a safra 2013 segundo os dados de setembro. Estamos em contato com os produtores de todo o país. O acompanhamento tem dado um efeito prático muito forte”, afirmou. 

Segundo ele, o problema com a lagarta ocorreu este ano devido à demora dos próprios órgãos ambientais brasileiros em liberar os registros de defensivos, além da atuação do Ministério Público na fiscalização do uso destes produtos.

“Os órgãos ambientais aqui são mais rigorosos do que em outros países como Estados Unidos e Austrália, que já têm a liberação destes produtos. E em função da legislação nossa. Mas os produtos foram liberados. Estamos acompanhando passo a passo o controle desta praga que ameaçava a produção”, tranquilizou o secretário. 

Os Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Bahia tiveram decretados estado de emergência fitossanitária pelo Ministério da Agricultura, condição que permitiu a importação de defensivos como o benzoato de amamectina para combater o avanço da lagarta, que causou prejuízos calculados em R$ 10,7 bilhões a produtores de todo o país nos últimos dois anos.

 

AgroOlhar
Autor: Vinícius Tavares

Helicoverpa: Novos focos da lagarta são confirmados em Ijuí, no RS

Depois de Rosário do Sul, Santa Maria, Tupanciretã, Cruz Alta e Ipiranga do Sul, a cidade de Ijuí, localizada no Noroeste do Rio Grande do Sul, também já confirmou a presença da lagarta Helicoverpa armigera em lavouras de soja e  milho, além de plantações de girassol. Os testes laboratoriais foram confirmados pelo responsável da Emater em Ijuí, Edewin Bernich. Ele adianta também que outros cinco casos suspeitos estão sendo analisados. 

Edewin Bernich ressalta, que mesmo com a confirmação da praga os agricultores ainda não devem utilizar defensivos agrícolas e sim permanecer monitorando a presença da lagarta.

“Neste momento, os agricultores devem monitorar as lavouras, pois a presença da Helicoverpa armigera ainda é pequena. Agora, se o volume de ataques aumentar nós teremos que adotar, primeiramente, um sistema biológico, depois fisiológico e químico, caso os prejuízos aumentem”, alerta.

Em Ijuí, a maioria da área agrícola é destinada ao cultivo de grãos. Mais de 45 mil hectares são destinados às lavouras de soja, 15 mil hectares para o trigo e 6,5 mil hectares para o milho. 

Os ataques da Helicoverpa já levaram o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) a decretar situação de emergência fitossanitária nos estados do Piauí, Bahia, Mato Grosso, Goiás e Minas Gerais.

 

Agrolink
Autor: Lucas Rivas

Soja atinge maior preço em 3 meses

A Bolsa de Cereais de Chicago registrou nesta segunda-feira (09.12) alta de 18 centavos de dólar no preço da soja nos contratos de Janeiro de 2014, fechando em US$ 13.43. A oleaginosa obteve o maior fechamento desde 18 de setembro.
 
O movimento que levou ao 2º pico de dezembro ajudou a desencadear compra adicional técnica, mas uma sólida demanda da China e um aumento no farelo de dezembro (e no mercado à vista) ajudou a apoiar. Os futuros do farelo subiram acima dos US$ 15.
 
Exportadores privados relataram uma venda de 290 mil toneladas de soja dos EUA para a China, com 230 mil para a temporada de 2013/14 e 60.000 para 2014/15. Essa compra causou certa surpresa, a medida que o mercado acredita que a China já reservou quase toda a demanda dos EUA para fevereiro, e o recorde de safra na América do Sul poderia deslocar a demanda para lá a partir de agora.
 
A demanda da China foi parcialmente compensada pelo excelente clima na previsão para as culturas sul-americanas. As inspeções de exportação semanais atingiram 60,4 milhões de bushels, acima em comparação com 54,9 milhões da semana anterior e os parcos 19,35 milhões necessários a cada semana para alcançar a projeção do USDA para toda a campanha. 
 

Agrolink
Autor: Leonardo Gottems

Previsão de alta na demanda do Milho

A Bolsa de Cereais de Chicago registrou nesta segunda-feira (09.12) alta de 3 centavos de dólar no preço do milho nos contratos de Março de 2014, fechando em US$ 4.38. Ajudaram a sustentar o mercado os rumores de que, caso não haja uma surpresa no relatório do USDA, os números de demanda podem ser revistos para cima.
 
A própria cobertura e posicionamento frente a esse relatório ajudaram a fornecer algum apoio, além de compra de ativos. Os receios de que a China vai cancelar mais carregamentos dos EUA ajudou a desencadear pressão de venda antecipada.
 
As inspeções de exportação semanais apuraram 40,3 milhões de bushels, acima em comparação com os 36 milhões da semana anterior e dos 27 milhões necessários a cada semana para alcançar a projeção do USDA para toda a campanha. Mercados à vista continuam firmes.
 

Agrolink
Autor: Leonardo Gottems

Porto de Paranaguá registra alta de 5% nas exportações de granéis

As exportações de soja, milho e farelo de soja estão levemente superiores às registradas no ano passado. Se considerados isoladamente, o grão de soja apresentou maior alta: 17% em relação a 2012

As exportações de granéis sólidos pelo Porto de Paranaguá alcançaram as 16,8 milhões de toneladas em novembro. O volume é 5% superior ao registrado em 2012, quando foram exportados 16 milhões de toneladas de granéis sólidos pelo porto paranaense. Considerando o volume total de cargas, até novembro, os portos de Paranaguá e Antonina movimentaram 42,7 milhões de toneladas de produtos, contra 41,5 em 2012. 

Entre os granéis sólidos, o destaque nas exportações é o grão de soja que, até novembro, somou 7,7 milhões de toneladas exportadas. O volume é 17% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.

A exportação de veículos também apresentou alta em novembro, totalizando 65,7 mil unidades exportadas; um aumento de 7% em relação ao registrado no mesmo período do ano passado.

Entre as cargas importadas, os fertilizantes somaram 8,5 milhões de toneladas, registrando alta de 5% em relação ao mesmo período de 2012. Foi registrada também alta nas importações de trigo, totalizando 254,9 mil toneladas (e alta de 81% em relação a 2012).

Antonina – O Porto de Antonina fechou o mês de novembro com 1,4 milhão de toneladas de cargas movimentadas. O volume é 22% maior do que o registrado até novembro de 2012. As principais cargas movimentadas em Antonina são os fertilizantes, açúcar e trigo. 

 

Agrolink com informações de assessoria

Safra de grãos estima produção de 195,9 milhões de toneladas

Os resultados do terceiro levantamento de grãos da safra 2013/2014, divulgados nesta terça-feira (10.12) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), apontam para uma produção de 195,9 milhões de toneladas, com aumento de 4,8% em relação à safra passada, e crescimento de 3,6% na área plantada  de grãos, que saiu de 53,2 para 55,2 milhões de hectares.

Nesta edição, o destaque foi para a soja, que teve um crescimento de 10,5% e produção estimada em 90 milhões de toneladas. Já o milho, 2ª maior cultura produzida no Brasil, apresentou um decréscimo de 2,7%, que apesar da metodologia utilizada pela Conab, de repetir a estimativa da produção. Mas essa estimativa em relação ao milho só será confirmada em fevereiro, quando de fato o plantio for iniciado.

Área – A cultura de soja apresentou o maior crescimento em relação à área plantada, com aumento de 6,2%, passando de 27,7 para 29,4 milhões de hectares. Já o milho, com os resultados combinados de redução da safra de verão, aliada à metodologia da Conab, apresentou decréscimo de área de 2,5%, passando de 15,8 para 15,4 milhões de hectares. Outras culturas também apresentaram aumentos em relação à área, como o arroz, feijão e algodão.

Os estudos para este levantamento de safra foram realizados no período de 24 a 30 de novembro. Mais de 60 técnicos da Conab estiveram em campo para atualizar as informações de área, produção e comportamento climático nos estados da região Centro-Sul, nos estados de Rondônia e Tocantins, e ainda nas regiões oeste da Bahia, e sul do Piauí e Maranhão.

 

CONAB – Companhia Nacional de Abastecimento
Autor: Mônica Simões

Com alta de 6%, área para cultivo de soja é a maior na safra 2013/14

A área destinada ao plantio de soja cresceu 6,2% na safra 2013/14, registrando a maior alta entre as culturas, passando de 27,7 para 29,4 milhões de hectares, segundo levantamento divulgado nesta terça-feira (10.12) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O total de área cultivada será de 1.716,5 mil hectares. A estimativa de produção também apresenta alta de 10,5%, totalizando 8,53 milhões de toneladas.

A área destinada ao plantio de trigo teve a segunda maior alta somando 295,9 mil hectares, acréscimo de 15,6%. Com isso, a produção do grão deve ser de 979 mil toneladas, 22,4% a mais do que registrado na safra de 2012/13.

Já o milho, segunda maior cultura produzida no Brasil, apresentou um decréscimo de área de 2,5%, passando de 15,8 para 15,4 milhões de hectares.

Os estudos para este levantamento de safra foram realizados no período de 24 a 30 de novembro.

 

Agrolink
Autor: Lucas Rivas