Clarivi eleva estimativa da safra de soja a 89,95 mi t no país

A consultoria Clarivi elevou em 215 mil toneladas sua estimativa da safra brasileira de soja em 2013/14, para 89,95 milhões de toneladas, em um momento em que o plantio está praticamente encerrado no centro-sul do Brasil e com algumas lavouras precoces já sendo colhidas.

“O aumento na produção é fruto tanto do crescimento da área plantada quanto da expectativa de uma produtividade maior”, disse a consultoria, em nota, referindo-se às projeções divulgadas em dezembro.

A nova estimativa para a área colhida com soja é de 29,77 milhões de hectares, ante 29,73 milhões vistos em dezembro de 2013.

Na safra passada, o Brasil produziu um recorde de 82,6 milhões de toneladas em uma área de 28 milhões de hectares, segundo a Clarivi.

O plantio atinge 98,9 por cento da área esperada para as regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, disse a Clarivi, em linha com o índice registrado na primeira semana de 2013.

As lavouras em maturação, fase anterior à colheita, representam 1,7 por cento da área do centro-sul.

Na semana passada, a associação dos produtores de Mato Grosso disse que as primeiras colheitas ocorreram no Estado por volta do Natal.

Sobre o Sul do país, a Clarivi disse que, apesar de o clima mostrar-se mais seco, “as lavouras de soja ainda não foram afetadas, assim como já ocorre em algumas áreas com milho.”

Após um dezembro mais seco, as chuvas estão retornando ao Rio Grande do Sul e ao Paraná, aliviando temores de produtores de soja da região.

“Os próximos dias serão caracterizados pelo retorno das chuvas mais organizadas no sul do Brasil. Do Rio Grande do Sul ao Paraná deve chover ao longo dessa semana”, disse nesta segunda-feira a Somar Meteorologia.

MILHO

A Clarivi estimou a produção total de milho no país em 2013/14 em 71,82 milhões de toneladas, 340 mil toneladas a mais que na projeção de dezembro, mas uma queda ante o recorde de 12/13, de 78,6 milhões de toneladas.

A consultoria reduziu a expectativa para a safra de verão, a 31,9 milhões de toneladas, queda de 280 mil toneladas ante dezembro, mas elevou a projeção para o milho “safrinha”, no inverno, para 39,92 milhões de toneladas, alta de 600 mil toneladas ante o previsto em dezembro.

Apesar de uma redução de área ante 2012/13 e ante a projeção de dezembro, a segunda safra da atual temporada deverá ter uma melhora na produtividade, o que justifica o ajuste para cima na colheita esperada, mostraram os números da Clarivi.

De modo geral, o levantamento “indica uma intenção de redução nas áreas plantadas com milho na safra de verão e inverno”, disse a Clarivi.

Um dos responsáveis pela elevação na projeção é o Estado de Mato Grosso, onde a produtividade das lavouras de inverno foi ajustada para 5.258 kg/hectare, contra 4.868 kg/ha estimados em dezembro, com a ajuda prevista de “um clima adequado para o desenvolvimento da cultura.”

 

Reuters
Autor: Gustavo Bonato

Novo presidente assume a Bayer CropScience para Brasil e América Latina

Eduardo Estrada Whipple assume neste mês a presidência da Bayer CropScience para Brasil e América Latina. Com mais de 25 anos de experiência em liderança de negócios na região, o novo presidente dará continuidade à implementação da estratégia de crescimento da Bayer CropScience, em busca da liderança de mercado.

“Nosso objetivo é expandir a atuação da Bayer CropScience no mercado agrícola latino-americano, alavancando nossa consolidada plataforma de acesso ao mercado, assim como oferecendo novas tecnologias que incluem sementes, defensivos químicos e biológicos, tão cruciais para garantir a máxima expressão produtiva das culturas. Nossa empresa é reconhecida por sua dedicação à pesquisa e inovação e o nosso foco será garantir que nossas soluções integradas e sustentáveis cheguem ao produtor rural”.

Estrada destacou ainda que “o crescimento sustentável do mercado – coração da nossa estratégia – é essencial, pois contribui de forma expressiva para a competitividade da região. Neste sentido, tenho a certeza de que Bayer CropScience vai se consolidar como referência, expandindo ainda mais nossa parceria de sucesso com o setor agro da região”, afirma.

O executivo, que até então ocupava a diretoria de Marketing da Bayer CropScience para América Latina, trabalhou nos Estados Unidos, América Central, Colômbia e Brasil. Com dupla cidadania – guatemalteco e americano –, é formado em Engenharia Agrícola e de Alimento pela Cal Soly Skate University, em São Luis Obispo, Califórnia (EUA), com MBA em Gerência Global pela Thunderbird Graduate School of International Management, no Arizona (EUA).

Estrada tem uma vasta experiência no setor agrícola, passando por importantes multinacionais do setor. Mais recentemente, foi presidente de uma companhia de ciências para vida e de materiais, conduzindo o segmento de Nutrição Humana na América Latina. Na Bayer CropScience, ele assume o lugar de Marc Reichardt, que passa a partir de agora a integrar o Comitê Executivo da Bayer CropScience, na Matriz da empresa na Alemanha, como Responsável Global por Operações Comerciais Agrícolas. 

 

Agrolink com informações de assessoria

Conab disponibiliza milho balcão

O Departamento de Política Agrícola da Fetag informa que a Conab está disponibilizando milho balcão nesta primeira quinzena de janeiro para plantio da safrinha.

Os pedidos podem ser feitos até quinta-feira, dia 9, e são tabulados por ordem de chegada e atendidos conforme o estoque disponível.

O limite máximo por beneficiário é de 12.500kg/mês, ao preço de R$ 0,42 o quilo para o saco de 60kg (R$ 25,20).

O frete é por conta do comprador e o grão está disponível nas unidades da Cesa em Estrela, Garibaldi, Cachoeira do Sul e Erechim, bem como no Cerealista Lodi, em Marau.

Os pedidos devem ser feitos através do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e de forma exclusiva pelo e-mail rs.milho@conab.gov.br, enquanto o pagamento no Banco do Brasil.

 

Agrolink com informações de assessoria

Brasil exportou mais de 500 mil toneladas de milho para Argélia

O Brasil exportou mais de 530 mil toneladas de milho para a Argélia, entre janeiro e novembro de 2013. O volume equivale a US$ 109 milhões e representa um crescimento de 96% em relação ao mesmo período de 2012, quando foram embarcadas 205 mil toneladas do grão. O produto foi o segundo mais exportado, ficando atrás somente do açúcar. Os números foram repassados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

As importações argelinas de cereais cresceram 3% de janeiro a novembro de 2013 em comparação com o mesmo período de 2012. Foram adquiridas mais de nove milhões de toneladas, um aumento de 3,5% na mesma comparação.

O trigo somou 5,7 milhões de toneladas, contra 2,8 milhões de milho e 438 mil toneladas de cevada. Conforme o Escritório Argelino Interprofissional de Cereais (Oaic, na sigla em francês), as importações de cevada servem para formação de estoques durante o inverno, para garantir o abastecimento da pecuária no primeiro trimestre de 2014.

Agrolink
Autor: Lucas Rivas

Soja/CEPEA: Produção recorde pode pressionar valor do grão no início do ano

A sojicultura brasileira tem como desafios para 2014 garantir a manutenção dos atuais patamares de preços ao produtor e buscar soluções para os entraves logísticos, já que as expectativas são de safra 2013/14 recorde. Segundo pesquisadores do Cepea, as vendas antecipadas foram menos intensas no fim de 2013 e há sinalização de quedas nas cotações para os primeiros meses de 2014. A oferta crescente, resultado da maior área cultivada nos últimos anos, é um dos principais fatores de pressão.

Da safra 2006/07 até a atual temporada (2013/14), a área cultivada com soja no Brasil cresceu 8,5 milhões de hectares (ou 41%), sendo 4 milhões de hectares a mais somente nos dois últimos anos-safras. Esta será a sétima temporada de crescimento de área com soja no País, atingindo recorde – na temporada 2013/14, a oleaginosa voltou a ganhar espaço do milho e outras culturas na safra de verão. O aumento da área cultivada nos últimos anos está atrelado à boa rentabilidade e à liquidez da cultura, com mais produtores apostando na soja no verão e no milho na segunda safra. Para a temporada 2013/14, a rentabilidade da soja deve ser menor que a obtida na 2012/13, mas ainda é maior que a de culturas concorrentes.

De acordo com dados da equipe de custos agrícolas do Cepea, se considerados os custos e os preços médios de venda da saca de soja em novembro/13, a rentabilidade do grão sobre os custos operacionais na nova safra ficariam entre 56% e 77,7%, patamares extremamente atrativos – essa diferença entre os resultados é dada pela produtividade e por tratos culturais.

 

Cepea/Esalq

Atenção para presença da helicoverpa e ferrugem asiática em lavouras de soja de MT

O surgimento da lagarta Helicoverpa armigera, que tem apavorado os produtores, pode estar monopolizando a atenção quanto ao monitoramento das lavouras e fazendo com que a ferrugem asiática fique em segundo plano, segundo observou o pesquisador do programa de Proteção de Plantas da Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso, Fundação MT, Ivan Pedro.

“No início da safra, acompanhamos casos em que alguns produtores não demonstraram a devida preocupação e atenção com relação ao manejo da ferrugem asiática, provavelmente em função da presença marcante da tão temida Helicoverpa armigera, praga que de fato possui elevado potencial de destruição e ataca várias culturas. A elevada gama de informações e alertas pode ter levado alguns produtores a pensarem apenas na lagarta como primeiro plano e flexibilizar o controle da ferrugem”, constatou.

O pesquisador não desconsiderou a importância do controle intenso da praga, mas advertiu que deve haver também alerta especial para outras doenças, como o fungo causador da ferrugem, que encontra condições climáticas favoráveis para disseminação neste período chuvoso. “Além disso, começaram a ser colhidas as primeiras lavouras de soja super precoce e precoce em algumas regiões do estado, o que pode contribuir para uma maior disseminação do patógeno através dos esporos provenientes destas. Estes são lançados ao vento e carregados por longas distâncias podendo infectar novas áreas”, atentou.

Até agora já foram registrados 13 focos da doença no Estado, segundo dados do Consórcio Antiferrugem, sendo 5 em Campos de Júlio, 3 em Sapezal, 2 em Campo Verde e nos municípios de Alto Araguaia, Alto Garças e Campo Novo do Parecis, um cada. Em todo Brasil os casos somam 81.

As aplicações iniciais e preventivas continuam sendo a melhor alternativa de controle da doença. “As aplicações dos produtos devem ser feitas respeitando as condições climáticas ideais e de forma preventiva. Devem ser iniciadas na fase de pré-florescimento ou florescimento da cultura (R1), mesmo em áreas que a doença ainda não foi identificada, pois o controle de forma planejada e criteriosa, o produtor consegue minimizar os efeitos negativos da doença” lembrou o pesquisador.

 

A Tribuna – Mato Grosso

Preço do milho em MT reduziu cerca de 15% na comparação com 2012

Vívian Lessa

O preço do milho cotado em Mato Grosso está cerca de 15% mais barato na comparação com o ano passado. O ano de 2013 fechou com a saca do grão custando entre R$ 13 e R$ 20. Já em dezembro do ano passado o produto podia ser vendido entre R$ 14 e R$ 21, dependendo da região.

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), em Rondonópolis foi registrado a maior valorização, considerando um preço de R$ 20 ante a R$ 23,50 a saca em 2012. Já em Sorriso foi registrado o menor valor entre os municípios produtores, tendo a saca preço de R$ 13,21.

Conforme o Imea, 2013 foi marcado pelos preços baixos, bem abaixo do preço mínimos e do custo de produção. O valor baixo é resultado do recorde produtivo da última safra. Mas a falta de rendimento do produtor deve reduzir a produção na safra seguinte.

Entre as safras 11/12 e 12/13 a produção aumentou de 18,4 milhões de toneladas para 22,5 milhões de toneladas. Porém, a estimativa é que a produção reduza para 17 milhões de toneladas na campanha 13/14.

Agrodebate

Renegociação de dívidas de produtores rurais somou R$ 1,3 bilhão em 2013

Mariana Branco

Brasília – A renegociação de dívidas de agricultores familiares e empresariais dos estados do semiárido brasileiro encerrou o ano com R$ 1,3 bilhão em débitos liquidados e 114,9 mil operações renegociadas.

A Bahia foi a responsável pela maior parte desse volume, com R$ 250 milhões renegociados. Em segundo lugar ficou o Piauí, com R$ 217 milhões, seguido de Minas Gerais, com R$ 211 milhões. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Integração Nacional.

A renegociação a que se refere o balanço foi instituída pela Lei n° 12.844/2013, especificamente para ajudar agricultores afetados pela estiagem. A oportunidade é válida para débitos contraídos até dezembro de 2006.

Na última segunda-feira (30), o Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, ainda, condições especiais de renegociação para produtores rurais do Norte, Nordeste e Centro-Oeste que queiram liquidar débitos contraídos até 2010.

Além de possibilidade de liquidar débitos, o governo instituiu, desde maio de 2012, linhas de crédito emergenciais para auxiliar a população atingida pela seca. O prazo para contratação desses empréstimos encerrou-se em 30 de dezembro de 2013. Por enquanto, não houve prorrogação.

Agência Brasil

Algodão entra na fase crucial para controle de pragas no MS

De acordo com relatório da Associação Sul-Mato-Grossense dos Produtores de Algodão (Ampasul), a cultura atravessa um momento “chave” para o controle de pragas e doenças. O receio dos produtores recai principalmente sobre as lagartas do gênero Helicoverpa, o bicudo, a broca-da-raiz e a mosca-branca.

Na região de Chapadão do Sul (leste do estado), os agricultores já aplicam inseticidas para o controle da mosca-branca. Com relação às lagartas, os índices de postura estão baixos, mas a vigilância é intensa.

A projeção do Grupo de Coordenação de Estatísticas Agropecuárias de Mato Grosso do Sul (GCEA/MS) aponta que serão cultivados 38,7 mil hectares de algodão na safra 2013/2014. O número representa uma redução de 0,7% frente aos 38,9 mil hectares plantadas no ciclo passado.

Agrolink
Autor: Leonardo Gottems

Brasil exporta 41,4 mil t de soja em dezembro – Secex

A exportação de soja do Brasil em dezembro somou 41,4 mil toneladas, ante 647,9 mil toneladas em novembro e 135 mil toneladas em dezembro de 2012, de acordo com dados corrigidos divulgados nesta quinta-feira pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex).

Inicialmente, a Secex divulgou dados de exportação de soja para dezembro idênticos aos dados do mês de abril de 2013, período de pico para embarques de soja.

 

 

Reuters
Autor: Gustavo Bonato