Mato Grosso já vendeu 40% da produção de algodão

Aproximadamente 40% do algodão da safra 2013/14 do estado de Mato Grosso já está comprometido, aponta estudo do Instituto Matogrossense de Economia Agropecuária (Imea).

Desde dezembro, houve valorização dos contratos futuros do algodão na Bolsa de Nova York, o que gerou uma liquidez para o mercado brasileiro, principalmente no Estado de Mato Grosso, que estava com a comercialização em 32% no final de 2013.

Em Campo Verde, o valor da pluma subiu 1,78%, fechando a semana a R$ 67,30/@. Em Sorriso, a valorização semanal foi de 1,8%, fechando a semana a R$ 66,70/@.

Conforme o Imea, o preço da arroba da pluma de algodão sofreu grande alta nesta semana, principalmente pela entrada de algumas trades no mercado, que ficaram um longo período de tempo sem fazer negócios relevantes.

Em Mato Grosso, pelo menos 34% dos 582 mil hectares destinados para o cultivo do algodão já foram semeados. A produção estadual deve ser superior a 834 mil toneladas.

 

Agrolink
Autor: Lucas Rivas

Preços do algodão indiano devem subir por demanda por exportações

Os futuros do algodão indiano devem ter negociações firmes nesta semana, impulsionados por uma boa demanda de exportadores, em meio a uma queda no fornecimento local por conta de uma onda de frio nas maiores regiões produtoras do país, e com os produtores retendo a commodity por esperanças de melhores preços.

No entanto, expectativas de uma retomada no abastecimento local nos próximos dias em todo o país, em meio a uma melhora climática, e uma menor demanda chinesa podem pesar sobre os preços, disseram operadores no mercado spot.

O algodão de origem indiana está recebendo boas encomendas de compradores no Paquistão e em Bangladesh, enquanto a China está comprando mais fios de algodão, em uma tentativa de contornar os impostos sobre as fibras em bruto, acrescentaram. A Índia é o segundo maior produtor mundial de algodão.

O fornecimento diário de algodão na Índia recuou para de 160 mil a 170 mil fardos de 170 kg cada, ante de 170 mil a 180 mil na semana anterior, por conta do frio e um festival local de colheita, disseram operadores.

Eles esperam que o fornecimento diário suba para cerca de 180 mil fardos até o final desta semana.

 

Reuters

Abiove eleva projeção para soja 13/14 do Brasil a 87,6 mi t

SÃO PAULO – A estimativa para a produção de soja do Brasil na safra 2013/14 foi elevada para 87,6 milhões de toneladas, ante 86,6 milhões vistos na previsão anterior, em meio a notícias de clima favorável, disse nesta terça-feira a Abiove, entidade que representa as grandes indústrias do setor.

“Aumentamos em um milhão de toneladas em função das informações de campo, que são favoráveis, com o clima que andou razoável em praticamente todas as regiões”, disse Fábio Trigueirinho, secretário da Abiove.

A exceção ocorre apenas em pequena parte do Mato Grosso do Sul, que teve estiagem moderada, acrescentou.

“O plantio foi bastante tecnificado, o produtor estava capitalizado. Não tivessem surgido problemas novos, como o da lagarta que gosta de comer planta da soja,… a safra chegaria a 90 milhões de toneladas.”

Mesmo assim, o retrato que a Abiove traça é de uma grande safra, com eventuais ajustes podendo ser feitos em função do impacto da lagarta Helicoverpa armigera, praga que atingiu fortemente o Brasil pela primeira vez no ciclo 2012/13 e ameaça causar perdas significativas na atual temporada.

A colheita da soja está na fase inicial no Brasil, com os trabalhos em campo mais avançados em Mato Grosso, principal Estado produtor da oleaginosa no país.

A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) ainda estimou o processamento da oleaginosa no ano comercial que vai de fevereiro de 2014 a janeiro de 2015 em 37 milhões de toneladas, contra 36,8 milhões de toneladas anteriormente.

“É mais uma safra recorde, com o Brasil atendendo à demanda da Ásia e da China, especialmente. E o país tem competitividade forte para atender”, disse Trigueirinho.

A estimativa para produção de farelo de soja também foi revisada para 28,2 milhões de toneladas e a de óleo para 7,1 milhões de toneladas, ambas com incremento moderado ante projeções de dezembro, perto de 1 por cento.

(Por Laiz de Souza e Fabíola Gomes)

 

Reuters

Agroconsult eleva previsão para soja 13/14 do Brasil a 91,6 mi t

Boas condições de desenvolvimento para as lavouras de soja em boa parte do Brasil levaram a consultoria Agroconsult a aumentar, nesta terça-feira, sua previsão para a safra brasileira 2013/14 para 91,6 milhões de toneladas, contra uma previsão anterior de 90,7 milhões de toneladas.

“A colheita teve início e as primeiras áreas já registram boas produtividades”, disse André Pessôa, sócio diretor da Agroconsult, a jornalistas.

A colheita da soja no Brasil está em fase inicial, com os trabalhos em campo mais avançados em Mato Grosso, o principal Estado produtor do país.

“Apesar das preocupações causadas pela lagarta Helicoverpa armigera, os produtores relatam que a praga está sob controle em todos os Estados”, acrescentou.

A presença da lagarta, uma espécie exótica que foi detectada em algumas lavouras brasileiras na safra passada, chegou a preocupar bastante no início desta temporada, devido à grande área de abrangência da infestação.

A Agroconsult chegou a estimar que o potencial de perda de produção nesta safra poderia chegar a 5 por cento, o que não se confirmou, disse André Pessôa.

“Há uma presença da lagarta de forma generalizada… Há um custo adicional significativo para os produtores, mas com controle bastante eficaz”, disse o consultor, destacando o rápido aprendizado dos agentes da cadeia produtiva para lidarem com o problema.

CLIMA

A Agroconsult avalia que apenas lavouras de duas regiões do país estão em condições inferiores às verificadas no ano passado: o sul de Mato Grosso do Sul e o sul de São Paulo.

Ainda assim, não há motivos para preocupação exagerada.

“Felizmente voltou a chover no Mato Grosso do Sul, então pode dar uma recuperada ou parar de piorar”, disse Pessôa.

A Somar Meteorologia disse nesta terça-feira que uma frente fria atua no Sul do Brasil e deverá causar chuvas generalizadas no Paraná e em parte do Mato Grosso do Sul.

Na semana passada a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), órgão que realiza os levantamentos oficiais de safra no país, estimou a colheita deste ano em 90,33 milhões de toneladas, contra 81,5 milhões de toneladas em 2012/13.

“As produtividades esperadas por nós em alguns Estados são um pouco mais otimistas que os números da Conab”, afirmou André Pessôa.

SOJA PRECOCE

A safra 2013/14 também está confirmando a prioridade dada pelos produtores rurais, principalmente no Centro-Oeste, às variedades precoces, plantadas logo no início do período autorizado e que já começam a ser colhidas.

Na segunda quinzena de dezembro, 58 por cento da soja do Brasil já estava em fase de enchimento de grãos, contra 43 por cento em 2012/13 e 20 por cento em 2011/12.

“Existe um interesse cada vez maior de aproveitamento da área da fazenda com uma segunda lavoura”, disse Pessôa. “A disponibilidade de máquinas na mão dos produtores, a renovação da frota, permite não só um plantio mais rápido, mas sobretudo uma colheita mais rápida e concentrada.”

Para ele, haverá uma pressão muito grande na cadeia de armazenagem e nos portos, com a concentração da colheita em janeiro e fevereiro, com a possibilidade de repetição do caos logístico de 2013.

Até 28 de fevereiro, 42 por cento das lavouras brasileiras já estarão em condições de serem colhidas, afirmou.

MILHO

A safra total de milho do Brasil na atual temporada (2013/14) foi apontada em 76,2 milhões de toneladas, ante previsão anterior de 76,1 milhões de toneladas.

A Agroconsult estimou a produção de 2012/13 em um recorde de 82,2 milhões de toneladas.

Na competição com a soja, a área plantada com milho na temporada de verão deverá cair 6 por cento, levando a uma colheita de 32,1 milhões de toneladas (redução de 8 por cento ante o volume de 2012/13).

Para a safra de inverno, a chamada “safrinha”, a consultoria projeta um aumento de 2 por cento na área semeada, mas ainda assim estima uma produção de 44,1 milhões de toneladas, recuo de 7 por cento ante o volume de 2012/13.

A explicação é que, em meio a preços baixos e pouco estimulantes, os produtores estão plantando milho com menor investimento em tecnologia, reduzindo a produtividade, segundo a Agroconsult.

 

Reuters
Autor: Gustavo Bonato

Tempo nublado em várias regiões do país

Na região Sudeste é esperado temperatura de 40ºC

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) alerta para tempo nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas em Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Demais áreas, claro a parcialmente nublado. A temperatura varia entre 17ºC a 35ºC. A previsão é válida para esta quarta-feira, dia 15 de janeiro.

Nublado a encoberto com pancadas de chuva e trovoadas isoladas no Amazonas, Pará, norte e leste do Amapá, Roraima, Acre, Rondônia e Tocantins. A temperatura mínima fica em 20º e a máxima, 35ºC.

Nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas no Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, na Paraíba, em Pernambuco, Recôncavo, sul, oeste e sudoeste da Bahia. Demais áreas, parcialmente nublado. A mínima fica em 17ºC e a máxima vai a 36ºC.

Parcialmente nublado a nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas no Paraná, em Santa Catarina, centro/leste e norte do Rio Grande do Sul. Demais áreas, nublado a parcialmente nublado. São esperadas temperaturas entre 13º e 33ºC.

Nublado com pancadas de chuva e trovoadas isoladas em São Paulo. Pode chover no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, oeste, sul, sudoeste e Zona da Mata em Minas Gerais, no Espírito Santo, Costa Verde, Médio Paraíba, centro-sul Fluminense e Serras do Rio de Janeiro. Demais áreas, parcialmente nublado. A temperatura varia entre 13º e 40ºC.

 

Min. da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Entidades discutem sábado ações de combate a Helicoverpa no Oeste da Bahia

A Associação Baiana de Produtores de Algodão (Abapa) espera reunir pelo menos 500 agricultores do Oeste da Bahia, no próximo sábado, para repassar as estratégias de combate e monitoramento da lagarta Helicoverpa armigera.

O encontro vai ocorrer no CTG Estância do Rio Grande, no município de Barreiras, distante a 900 quilômetros de Salvador. O evento começa às 9h30min e vai até às 12h.

Técnicos da Abapa e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) irão falar sobre as ameaças causadas pela praga e importância de combatê-la.

Em novembro de 2013, o Ministério da Agricultura (Mapa) decretou situação de emergência fitossanitária no Oeste da Bahia em função da praga Helicoverpa armigera.

Na safra passada, os produtores de algodão tiveram perdas bilionárias devido a proliferação da praga.

 

Agrolink

Instituto Algodão Social inicia processo de certificação em fazendas no MT

O Instituto Algodão Social (IAS) deu inicio ao processo de certificação das fazendas produtoras da fibra no Estado de Mato Grosso. A primeira propriedade visitada foi a Fazenda Jangada, no município de Campo Verde, distante a cerca de 120 km de Cuiabá. O trabalho foi acompanhado por técnicos da Certificação de Sistemas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). 

Além de entrevistar o proprietário da área, os especialistas também checaram se as leis trabalhistas e ambientais estavam sendo cumpridas na fazenda. O depósito de defensivos agrícolas, o barracão de máquinas, o almoxarifado, a lavanderia onde são lavados os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e os dormitórios dos colaboradores também foram inspecionados. 

Esta será a primeira vez em que 100% das fazendas dos associados da Ampa (Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão) pretendem obter a certificação.

Ao final da vistoria, a propriedade que passar pelo processo de certificação do Programa Algodão Brasileiro Responsável (ABR) poderá fazer sua adesão ao sistema BCI (Better Cotton Initiative). Os dados coletados, em cada propriedade, serão enviados à ABNT, por meio de um tablet (iPAD) para consulta geral. 

A Fazenda Jangada faz parte do Condomínio Aliança do Cerrado e é cooperada do Grupo Bom Futuro. Na safra 2013/14, vai plantar três mil hectares de algodão (sendo 550 ha de plantio de primeira safra e o restante de segunda), 2220 ha de soja e 223 ha de feijão.

 

Agrolink
Autor: Lucas Rivas

Soja: Colheita chega a 2% em MT

Trabalhos observados até a última sexta-feira pelo Imea, estão 0,9 p.p. a frente do registrado em 2012 MARIANNA PERES Mato Grosso, maior produtor de soja do país, fechou as duas primeiras semanas de janeiro com 1,9% da área colhida. Com trabalhos iniciados ainda entre o Natal e o Ano Novo, produtores da região oeste são…

Details

Descartada emergência fitossanitária devido a Helicoverpa armigera no RS

A Secretaria da Agricultura do Rio Grande do Sul excluiu a possibilidade de decretar situação de emergência fitossanitária em função dos ataques da lagarta Helicoverpa armigera nas lavouras de soja. A posição foi tomada após avalição técnica realizada em plantações de soja do Estado. 

Porém, se o cenário mudar no decorrer do cultivo, o Governo do Estado pode rever sua postura. 

Desde a primeira vez que a lagarta foi confirmada no Rio Grande do Sul, fiscais da Secretaria da Agricultura, junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Embrapa, Emater e outras instituições, trabalham no monitoramento, dispersão, gravidade de ataques e níveis de danos da praga.

Ao contrário de outros estados que decretaram situação de emergência, o RS tem condições climáticas e de cultivo diferenciados, o que pode levar a um comportamento distinto da praga em relação a essas regiões. 

Desde o fim de 2013, o Mapa já decretou situação de emergência fitossanitária em função do risco de surto da praga nos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Piauí, Bahia e Minas Gerais. 

 

Agrolink
Autor: Lucas Rivas

Soja segue em alta com demanda aquecida – Análise Agrolink

O preço da soja na Bolsa de Cereais de Chicago registrou na segunda-feira (13.01) alta de 15 ¾ centavos de Dólar nos contratos de Março de 2014, fechando em US$ 12,785 por bushel. Houve aumentos semelhantes nos preços da soja nos contratos de Janeiro/14 e Maio/14, ambos na casa dos dois dígitos.

Os números baixistas do relatório do USDA parecem não ter mesmo afetado o mercado, que segue aquecido com forte demanda. As vendas externas de soja chegaram a 59,381 milhões de bushels, de acordo com as inspeções de exportação da semana encerrada no último dia 9 de Janeiro.

Na semana anterior, essas vendas foram de 58,798 milhões de bushels (número revisado). Já no mesmo período do ano passado, as exportações haviam atingido apenas 41,040 milhões de bushels.

Agrolink
Autor: Leonardo Gottems